quarta-feira, 26 de maio de 2010


Já não sabia como agir diante das palavras, elas estavam desorganizadas de tal forma que enlouquecia a menina, as deixava confusa e solitária...
Os rabiscos que gostava de traçar se apagavam a medida que os transportava para o papel
Então sua dor passou a ser um segredo até para ela mesma
Não havia mais um modo de desabafar
O silencio que calava a noite, calava também tudo o que sentia...

Indy P. Farias

Um comentário:

Rafiki disse...

Assim são essas palavras, crianças sapecas, mas eu questiono, é só o silêncio das palavras que te confunde, ou é uma confusão que causa o silêncio das palavras?